859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.comAcesse conteúdos jornalísticos, nos mais variados formatos, focados na informação como aliada das micro e pequenas empresasTue, 02 Jan 2024 14:32:09 +0000pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=6.2.3859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/cultura-empreendedora/setor-de-beleza-tem-mais-de-524-novos-negocios-abertos-por-dia-em-2023/Tue, 02 Jan 2024 14:21:01 +0000https://www.jystxc.com/?p=19502O setor formado por cabeleireiros, barbeiros, manicures, pedicures e outras atividades ligadas à beleza permanece em alta. De janeiro a setembro deste ano, 143.306 microempreendedores individuais (MEI) do ramo foram abertos em todo o país – uma média de 524 novos estabelecimentos por dia. É o que mostra um levamento realizado pelo Sebrae com base nos dados do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) da Receita Federal do Brasil. Esses empreendedores representam mais de 5% dos 2,9 milhões microempreendedores individuais (MEI) e micro e pequenas empresas que iniciaram suas atividades em 2023.

O grande número de empresas de beleza criadas segue a tendência de crescimento dos últimos anos. Em 2022, após a pandemia, foram registrados 186 mil novos negócios. Entre o universo de 15,4 milhões de microempreendedores individuais (MEI) existentes no país, os profissionais da beleza também se destacam: são mais de 1 milhão de MEI em atividade no setor. A analista de Competitividade do Sebrae e coordenadora nacional do Setorial de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos, Andrezza Cintra, ressalta que as pessoas estão mais interessadas em cuidar do corpo e usufruir da experiência que o serviço possibilita.

-

Não é um pico pós-pandemia, mas sim um crescimento consistente e necessário para atendimento às diversas demandas que os serviços de embelezamento prestam. Mas, sobretudo, devemos entender esse destaque como uma preocupação com o corpo, com o bem-estar, com a interação com o outro.

Andrezza Cintra, coordenadora nacional do Setorial de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos do Sebrae.

“Temos as questões do remodelamento das barbearias e do avanço dos equipamentos estéticos que têm sido marcantes nesses últimos anos”, adiciona.

Andrezza destaca ainda que o movimento crescente do setor teve influência da Lei Salão Parceiro, de 2016, que flexibilizou o mercado e a oportunidade de os empreendedores crescerem com o tempo. Por outro lado, a analista reitera que o empoderamento e afirmação por meio da beleza também estão em alta.

Anne Andrade abriu seu salão de beleza em 2023. Crédito: arquivo pessoal.

“A gente tem hoje salões de cachos e salões de tranças nagô, que são prioritariamente de empoderamento étnico, empoderamento racial, e trazem a beleza como ferramenta, como instrumento desse propósito”, afirma. “As novas gerações entendem que uma empresa deve ter um propósito, o impacto que causa naquela localidade, naquele território, naquele bairro”, completa.

Há 15 anos no mercado, Anne Andrade abriu, em 2023, um espaço de beleza em um centro empresarial, em uma das principais avenidas de João Pessoa (PB). “Consegui unir o útil ao agradável. Um lugar que tivesse movimento, rotatividade, com acessibilidade e estacionamento. Tudo isso conta na hora de abrir um negócio. O pessoal do Sebrae me orientou direitinho”, aponta. Outro aspecto que tem contribuído para a empresa dar certo tem sido a fidelização da clientela que ela conquistou com o tempo, especialmente durante a pandemia.

Atualmente como microempreendedora individual (MEI), a cabeleireira já estuda passar à categoria de microempresa neste ano. “Graças a Deus, o negócio tem dado certo. Para não ficar para trás, tenho procurado os conteúdos do Sebrae e sempre participo da feira da beleza que eles realizam aqui em João Pessoa. Além disso, procuro estar sempre atualizada para não perder nenhuma novidade do mercado”, adianta.

Dicas

A analista do Sebrae Andrezza Cintra lista algumas dicas para se destacar no mercado. Confira:

  • Serviço – Ofereça uma experiência de qualidade, um serviço que tenha por trás uma equipe capacitada e que esteja antenada nas inovações tecnológicas, tanto da indústria cosmética quanto da indústria de equipamentos, principalmente quando se fala em estética.
  • Especialização – É importante estar atualizado e se especializar para atender a um volume maior de clientes. Então, por exemplo, se o salão é mais procurado para colorimetria – procedimentos que envolvem a cor dos cabelos – é importante que os profissionais estejam treinados para isso.
  • Nicho – Focar em mercados específicos, trazer consciência de propósito e ambiental. As novas gerações exigem produtos botânicos, veganos, orgânicos.
  • Canais digitais – É necessário estar conectado com os clientes por meio das redes sociais, formando uma comunidade em torno do negócio.
  • Parcerias – Trazer as marcas como parceiras, oferecendo os produtos de qualidade com custo compatível com o público que atende.
  • Digitalização– 100% da gestão deste negócio deve ser digitalizada. Trabalhar com dados e ter uma gestão inteligente (conhecer os clientes, valores, comparar períodos e entender quais profissionais apresentam melhor faturamento). Esse tipo de informação só é possível quando se tem dados que permitem uma previsibilidade e um planejamento.
]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/inovacao-e-tecnologia/vendas-digitais-sao-responsaveis-por-mais-de-40-do-faturamento-dos-pequenos-negocios/Wed, 20 Dec 2023 10:22:07 +0000https://www.jystxc.com/?p=19371O comércio digital se impôs como realidade aos donos de pequenos negócios no Brasil e atualmente já responde, em média, por mais de 40% do faturamento de microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte. Segundo a pesquisa “Transformação Digital nos Pequenos Negócios”, realizada pelo Sebrae, aproximadamente 70% das MPE brasileiras usam ferramentas digitais para realizar vendas. Os setores onde a digitalização ocorreu de forma mais intensa foram Economia Criativa, Logística, Artesanato e Turismo onde aproximadamente metade do faturamento já provém dos canais online.

O levantamento aponta que as plataformas mais usadas pelos pequenos negócios para fazer negócio são WhatsApp (56%), Instagram (43%) e Facebook (23%). Segundo o presidente do Sebrae, Décio Lima, o resultado mostra um avanço. “O mundo digital revolucionou a forma de fazer negócio. O Sebrae atua para apoiar os empreendedores na jornada da digitalização”, comenta.

Décio Lima lembra que as redes sociais são as novas vitrines e se tornaram poderosos canais de comunicação com o cliente. “Hoje é possível, por exemplo, mostrar os bastidores do negócio, os valores da empresa, o posicionamento da marca, entre outras informações. O ambiente digital não é só um espaço para divulgar promoções”, analisa. “Por isso é fundamental estar sempre atualizado e ter um planejamento de longo prazo para ampliar a presença digital da empresa”, acrescenta.

Números da pesquisa

– Aproximadamente 30% das micro e pequenas empresas, em especial nos setores mais tradicionais, ainda não digitalizaram seu modelo de negócio.

– Cerca de 99% dos pequenos negócios usam internet no celular,

– 40% é a proporção média do faturamento advindo das vendas por canais digitais;
– Os setores onde o peso das plataformas digitais foi maior no faturamento são
• Economia Criativa (55%),
• Logística, Artesanato e Turismo (49%)

– As plataformas mais usadas pelos pequenos negócios para realizar vendas são: WhatsApp (56%) e Instagram (43%).

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/inovacao-e-tecnologia/canais-digitais-respondem-por-mais-de-15-das-vendas-do-comercio-no-terceiro-trimestre-do-ano/Fri, 27 Oct 2023 16:00:43 +0000https://www.jystxc.com/?p=17991Sondagem do Comércio realizada pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (FGV Ibre) aponta que, mesmo com o fim das restrições sanitárias da Covid-19, muitos consumidores continuam escolhendo canais digitais na hora de comprar. No terceiro trimestre deste ano, 15,1% das receitas do comércio foram obtidas por meio de vendas on-line em sites, aplicativos, e-mails, entre outros canais. O percentual é o maior registrado desde o segundo trimestre de 2021, quando foi de 21,1%, período no qual a pandemia ainda restringia as operações das lojas físicas.

O coordenador de Mercados e Transformação Digital do Sebrae Nacional, Ivan Tonet, destaca que os números refletem a mudança na cultura do consumidor que está mais digital, mas também são reflexo da maior digitalização das empresas e da melhora da experiência de compra no ambiente virtual.

“As empresas se mobilizaram para utilizar os canais digitais e, ao longo do tempo, se prepararam melhor para atender às demandas desses clientes que procuram mais produtos e em diversidade”, avalia.

O estudo também aponta que nos meses anteriores ao início da crise da pandemia, em 2020, os canais on-line respondiam por 9,2% das vendas – um patamar inferior ao último verificado pela FGV Ibre. Já no segundo trimestre deste ano, o percentual de vendas obtido por meio dos canais on-line estava em 13,1%.

Para aproveitar as oportunidades do comércio on-line, Tonet recomenda que os donos de pequenos negócios, primeiramente, entendam como os canais digitais funcionam e tracem uma estratégia específica para cada um deles, a partir do público-alvo de interesse. “Essa atuação demanda recursos, sejam eles humanos, de tempo, e financeiros, a fim de investir na comunicação, na produção de conteúdo, na divulgação”, acrescenta.

Tonet ressalta que, ao contrário das grandes marcas varejistas, o pequeno negócio oferece produtos mais customizados e um atendimento mais próximo do cliente.

O consumidor consegue falar com pessoas e não com robôs. Consegue fazer trocas com mais facilidade e flexibilidade. Muitas vezes, ao fazer um compra on-line de um negócio mais perto da sua casa, o produto chega muito mais rápido também.
Ivan Tonet, coordenador de Mercados e Transformação Digital do Sebrae Nacional.

Outra informação destacada pelo FGV Ibre é a queda no percentual de empresas sem nenhuma venda on-line. Do segundo para o terceiro trimestre deste ano, essa proporção recuou de 31,5% para 29,2%. No período pré-pandemia, essa porcentagem estava em 49,7%, ou seja, quase metade das empresas não tinha venda digital antes das restrições sanitárias.

O especialista do Sebrae Nacional reforça que mensurar os resultados é essencial para adquirir aprendizados e retornos. Ele ressalta que as ferramentas disponíveis nos próprios canais ajudam na definição de metas, considerando os indicadores e resultados alcançados.

“A conversão, por exemplo, é um indicador muito importante que influencia no tamanho do investimento que será feito pelo empreendedor. Essa mágica do digital facilita muito o planejamento do negócio, mas o empreendedor precisa testar e conhecer bem os indicadores e os resultados para definir as suas metas”, explica Tonet.

Segmentos em alta

Entre os pequenos negócios, ele acrescenta que alguns segmentos se destacam nas vendas on-line, como é o caso do mercado pet, beleza e moda, saúde, turismo, casa e decoração.

“No caso de beleza e moda, a tecnologia e inteligência artificial tem contribuído muito para facilitar a tomada de decisão do consumidor, com uso de um provador virtual de roupas e até maquiagens, por exemplo”, comenta.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/dados/3-em-cada-4-pequenas-empresas-usam-ferramentas-digitais-para-fazer-negocios/Wed, 13 Sep 2023 12:05:29 +0000https://www.jystxc.com/?p=16614Os empreendedores que utilizam a internet, os aplicativos de mensagens e as redes sociais para fazer negócios já representam 3 em cada 4 pequenas empresas do país. É o que aponta a 4ª edição da pesquisa Pulso dos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o melhor resultado de toda a série histórica da pesquisa iniciada logo após a chegada da pandemia de Covid-19 ao Brasil. Em maio de 2020, 59% das micro e pequenas empresas haviam digitalizado seu negócio.

O levantamento mostra uma evolução de 6 pontos percentuais quando comparado à edição anterior da pesquisa feita no último mês de abril, quando 69% do universo das MPE utilizava ferramentas digitais para impulsionar as vendas. Entre os Microempreendedores Individuais (MEIs), a proporção identificada em julho é ainda maior (76%), enquanto as micro e pequenas atingiram 73%.

De acordo com o presidente do Sebrae, Décio Lima, o comportamento dos clientes mudou definitivamente, forçando as empresas a se adequarem a este novo modelo de consumo, incorporando as estratégias digitais ao negócio.

Essa é uma mudança que veio para ficar. No próprio portal do Sebrae, já havíamos identificado um crescimento de 220% na procura por conteúdos sobre o mercado digital, somando 8 milhões de acessos entre 2019 e 2022.
Décio Lima, presidente do Sebrae Nacional.

Ainda segundo Décio Lima, a pesquisa mostra que é fundamental hoje que a pequena empresa tenha uma presença digital e que ela busque profissionalizar o uso de ferramentas como o WhatsApp e o Instagram para ampliar as vendas e fidelizar o cliente. “Toda empresa que abre as portas atualmente, já precisa nascer atuante nos dois ambientes, físico e digital”, destaca.

No entanto, Décio Lima ressalta que o número de empresas que ainda não utilizam a internet para comercializar seus produtos e serviços é ainda muito alto. “Essa é questão de sobrevivência para os pequenos negócios. Por isso, é importante estar inserido nesses canais digitais, usar de forma proficiente os recursos que a internet oferece”, comenta o presidente do Sebrae. As estimativas de comércio eletrônico, de acordo com as associações do ramo, apontam para um faturamento de R$ 186 bilhões em 2023.

Capacitação

Para apoiar os empreendedores nessa jornada, o Sebrae disponibiliza uma série de conteúdos e consultorias, inclusive por meio do próprio celular. “O dono do pequeno negócio pode encontrar orientação no Sebraetec, por exemplo, onde terá um passo a passo para montar sua loja virtual. Temos ainda o programa UP Digital, que oferece mentorias para quem quer aumentar sua presença digital, e os cursos on-line que podem ser feitos até pelo WhatsApp. Além disso, disponibilizamos uma série de conteúdos e estratégias voltados aos marketplaces que ajudam os empreendedores a criarem diferenciais da concorrência nas plataformas de vendas”, conclui Décio Lima.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/dados/76-dos-empreendedores-negros-vendem-com-uso-de-ferramentas-digitais-aponta-pesquisa-do-sebrae/Tue, 12 Sep 2023 11:00:14 +0000https://www.jystxc.com/?p=16564Aumentou o número de empreendedores negros que utilizam ferramentas digitais para vender seus produtos e serviços. Dados da Pesquisa Pulso dos Pequenos Negócios, realizada pelo Sebrae e o IBGE em julho deste ano, mostram que 76% deles usam redes sociais, aplicativos ou internet para alcançar os clientes e fechar negócios. Em maio, esse percentual era de 69%. A partir dos números do levantamento, também pode-se afirmar que os empreendedores negros utilizam mais os meios digitais para vender do que os brancos (74%).

Apesar da grande presença dos empreendedores negros na internet, muitas pessoas desconhecem o impacto desses pequenos negócios na sociedade, gerando emprego e renda, por exemplo. Estima-se que o afroempreendedorismo brasileiro movimente R$ 2 trilhões por ano.

O empreendedorismo é uma ferramenta de inclusão social e produtiva no nosso país. Os negros representam 54% dos empreendedores brasileiros e os negócios criados por eles geram muitos impactos positivos, disponibilizando emprego e renda.Presidente do Sebrae Nacional, Décio Lima.

Visibilidade à força do empreendedorismo negro

A partir desta semana, as redes sociais do Sebrae iniciam a divulgação da campanha “O Negócio Tá Preto”, com o objetivo de reverter o aspecto negativo da expressão, ao criar um ambiente virtual de inclusão e valorização do empreendedorismo negro.

Ao longo da divulgação, nos próximos dois meses, vamos dar um novo sentido ao termo, de uma forma positiva e motivacional. Dizer que ‘O Negócio Tá Preto’ será afirmar que o negócio está fazendo a diferença, que é uma coisa boa. Além disso, vamos oferecer orientações e informação que atendam as principais dores do empreendedor negro.  Analista de Comunicação do Sebrae Ana Carolina Soares.

Entre as ações previstas na campanha estão a participação de influenciadores negros que tratam de negócios e empreendedorismo, como Nina Silva , Jacira Doce, Hisan Silva e Maurício Bahia. As redes sociais do Sebrae também vão compartilhar histórias inspiradoras de empreendedorismo negro, bem como vão estimular a busca e identificação de negócios no Território Afroempreendedor, por meio de uma ferramenta de geolocalização. “Isso possibilita que um empreendedor negro marque o negócio dele na plataforma, dando mais visibilidade para o empreendimento dentro dessa espécie de mapa”, explicou a analista.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/inovacao-e-tecnologia/conheca-o-threads-e-descubra-como-a-plataforma-pode-impulsionar-o-seu-pequeno-negocio/Sat, 09 Sep 2023 11:00:03 +0000https://www.jystxc.com/?p=16506Nos próximos dias, a nova rede social Threads, lançada no começo de julho, vai estar disponível em versão web para ser acessada pelo computador. A novidade anunciada pela Meta, empresa dona também do Facebook, Instagram e WhatsApp, é uma tentativa de melhorar a aceitação da plataforma mais recente. Mesmo em evolução, o Threads já alcançou milhares de usuários, entre eles, grandes marcas e influenciadores.

Assim como as outras redes sociais já conhecidas, o Threads também tem potencial para impulsionar os pequenos negócios, ao permitir a divulgação de produtos e serviços, como explica a especialista em Mercados e Transformação Digital do Sebrae Nacional Janaína Camilo.

A nova rede social pode ajudar os pequenos negócios a ganharem mais visibilidade e atenção do público consumidor, permitindo o compartilhamento de conteúdo relevante, com a interação direta com os clientes e a criação de uma comunidade engajada em torno da marca.

Ela ressalta que antes de se posicionar no Threads e começar a fazer publicações, o dono do pequeno negócio deve avaliar se o seu cliente está presente nessa plataforma, bem como se ele, como empreendedor, possui recursos para gerenciar mais um canal de comunicação.

“O Threads pode ser explorado por pequenos negócios de todos os segmentos, desde que o público-alvo esteja presente na plataforma e a estratégia de marketing seja adaptada de acordo com as características da nova rede social”, acrescenta.

O que é esse novo app?

O Threads funciona como um microblog (semelhante ao antigo Twitter), onde é possível compartilhar pequenos textos de até 500 caracteres, fotos e vídeos de até cinco minutos de duração. Até o momento, ainda não permite a realização de vendas diretas, mas possibilita o compartilhamento de links externos para compras em sites de e-commerce ou em marketplaces.

A nova rede é integrada ao Instragram, por isso, ao baixar oapp, o usuário pode manter o mesmo @ do perfil vizinho, duplicar as informações como foto e biografia e ainda tem a opção de adicionar as contas que já segue na outra plataforma.

Janaína Camilo destaca que entre as principais características do Threads estão a possibilidade de trocar mensagens privadas, o status personalizado e a possibilidade de interagir com um grupo selecionado de contatos próximos.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/inovacao-e-tecnologia/evento-de-marketing-digital-em-aracaju-tem-gabriela-prioli-kondzilla-e-outros-nomes/Wed, 06 Sep 2023 19:38:57 +0000https://www.jystxc.com/?p=16498Nos dias 22 e 23 de setembro, Aracaju receberá mais uma edição do Reload, evento de Marketing Digital promovido pelo Sebrae. A programação contará com especialistas locais e nacionais para discutir diversos temas do universo do marketing digital, apresentar casos de sucesso, mostrar tendências, além de proporcionar networking entre os participantes.

A apresentadora do Saia Justa (GNT) e influenciadora digital, Gabriela Prioli, e o produtor e apresentador de TV KondZilla são alguns dos nomes que estarão no Centro de Convenções Am Malls. Além deles, também participarão Rafael Kiso, fundador da mLabs; Ronaldo Marques, do TikTok Brasil; Lili Ferrari, Pinterest Expert; Ramon Coxinha, humorista e podcaster; Joe Marcolino, cineasta e estrategista digital; Luiza Allan, criadora do “Não como só alface” e muito mais.

Eles tratarão sobre uma série de temas, a exemplo das estratégias para posicionamentos digitais, de como otimizar seus posts nas mídias sociais, como fazer e comercializar podcasts, como criar um e-commerce do zero, como usar o Pinterest para vender mais, como fazer vídeos para engajar nas redes sociais, como elaborar estratégias para utilização do TikTok pelas empresas e como produzir vídeos para a internet utilizando o celular.

As inscrições podem ser feitas no reload.sebrae.com.br, com valores que podem ser divididos nos principais cartões de crédito. Dúvidas ou mais informações podem ser obtidas pelo (79) 2106-7763 ou 2106-7766.

Programação

Na sexta-feira (22), as atividades terão início às 19h30, com a palestra “Mais emoção, menos razão” de Gabriela Prioli. A partir das 20h30, as atividades acontecem de maneira simultânea, com palestras sobre o mercado de criadores digitais, estratégias para um posicionamento digital irresistível e como melhorar seu SEO através do áudio marketing.

Já no sábado (23), a programação terá início às 9h, com palestras e oficinas realizadas de forma simultânea até às 17h. O evento se encerrará com a apresentação “Da quebrada para o mundo”, de Konrad Dantas, o KondZilla, até às 18h.

“O Reload já faz parte da agenda de eventos de inovação e marketing aqui em Sergipe. Essa é uma oportunidade de conhecer as novidades do mercado digital e aplicar na rotina do seu negócio. O Reload vem para reforçar que o digital é para todos”, ressalta a superintendente do Sebrae/SE, Priscila Felizola.

A programação completa e mais informações sobre o evento podem ser obtidas no site reload.sebrae.com.br ou no perfil do Sebrae Sergipe no Instagram, o @sebraesergipe.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/cultura-empreendedora/entenda-como-comentarios-e-interacoes-nas-redes-sociais-favorecem-os-negocios/Tue, 22 Aug 2023 12:00:25 +0000https://www.jystxc.com/?p=16103O famoso “boca a boca” está mais forte do que nunca no universo digital. A internet potencializou o alcance dessa estratégia de marketing muito conhecida na hora de atrair a clientela. Comentários, recomendações e avaliações positivas de produtos e serviços não podem ser ignorados por quem empreende. Ao contrário, devem ser vistos como uma oportunidade para conhecer melhor as necessidades do cliente e se aproximar mais dele.

“Antigamente, quando um cliente não se agradava de um serviço ou produto, ele divulgava para cinco, seis amigos. Com as redes sociais, quem não está satisfeito facilmente alcança cinco, seis mil pessoas. O impacto tem dimensões escaláveis. Daí a necessidade de o empreendedor estar sempre atento”, afirma a especialista em Mercados e Transformação Digital do Sebrae Nacional, Janaína Camilo.

Segundo ela, as redes sociais oferecem diversas opções para estimular interações que podem contribuir para aprimorar os negócios e contam com ferramentas específicas para colher essas informações.

“É importante engajar o público e responder às mensagens e comentários. O empreendedor deve incentivar o feedback do cliente, fazendo perguntas diretas. Pelas redes sociais, pode criar caixas de perguntas, promover enquetes, pedir opiniões e responder aos comentários de maneira interativa. Essa dinâmica demonstra atenção e cuidado com o cliente e estreita o relacionamento entre ele e sua empresa, aumentando o engajamento e fortalecendo a imagem da sua marca”, acrescenta.

Fã ou hater?

A especialista do Sebrae atenta os donos de pequenos negócios que ofeedback do cliente é uma fonte de informação preciosa e deve ser convertida em melhoria no atendimento e na satisfação do cliente.

“O feedback do cliente permite conhecer a opinião do consumidor sobre a qualidade dos produtos ou serviços, o atendimento, a entrega e a experiência de compra que ele teve no seu estabelecimento. Além disso, ajuda a identificar os pontos fortes e os pontos de melhoria do seu negócio, possibilitando a tomada de decisões mais assertiva e a fidelização da clientela. Essa abordagem proativa permite que os empreendimentos se destaquem e se mantenham relevantes no mercado”, considera Janaína.

“Good vibes” nas redes

Para apoiar os donos de pequenos negócios e estimular os comentários e avaliações positivas das empresas, o Sebrae lançou a campanha “Ser Positivo Transforma”. A ideia é espalhar uma corrente do bem pelo Facebook, Instagram e Tik Tok, a partir do compartilhamento de mensagens positivas recebidas pelos empreendedores e estimular o engajamento dos seguidores do Sebrae em prol da geração de negócios, apoio ao próximo e positividade.

Com a campanha, o Sebrae quer mostrar como likes, curtidas e boas avaliações podem contribuir para o sucesso dos negócios, atraindo novos clientes, construindo confiança, impulsionando vendas e fortalecendo a economia.

“Queremos furar a bolha de negatividade que, infelizmente, se espalhou pela internet. Sabemos que as redes sociais têm um potencial incrível para gerar conexões genuínas entre as pessoas. Vamos estimular os que sonham empreender, mostrar a força do empreendedorismo e reforçar nosso apoio aos donos de pequenos negócios”, afirma gerente de Comunicação do Sebrae Nacional, Gleber Naime.

]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/inovacao-e-tecnologia/conheca-os-novos-recursos-do-whatsapp-business-para-os-pequenos-negocios/Fri, 14 Jul 2023 11:00:31 +0000https://www.jystxc.com/?p=14989A pandemia de Covid-19 mudou para sempre os hábitos de consumo dos brasileiros. Mesmo passados mais de um ano do fim das medidas de isolamento social e plena retomada da economia, o fato é que nenhum empreendedor que pretende abrir o próprio negócio pode descuidar das estratégias digitais. Estar conectado e capacitado para usar as novidades tecnológicas é uma das necessidades das micro e pequenas empresas. Entre essas ferramentas está o WhatsApp.

A Meta, empresa controladora das plataformas do Facebook, Messenger, WhatsApp e Instagram, tem apostado em uma série de melhorias do WhatsApp Business,app de conversas voltado a empresas.

“A ferramenta já ultrapassou 200 milhões de usuários e recebeu recentemente dois novos recursos, que contribuem para ações de divulgação e relacionamento dos pequenos negócios”, reforça a especialista em Mercados e Transformação Digital do Sebrae Janaína Camilo.

Uma das novidades é a funcionalidade que permite criar “anúncios de clique” no Facebook utilizando o WhatsApp Business. Os anúncios publicados pela empresa são acessados pelos usuários do Facebook que, por meio de um botão no próprio conteúdo divulgado, são redirecionados diretamente ao WhatsApp Business para atendimento.

Na prática, quando os usuários clicarem em algum anúncio, será aberta uma conversa no WhatsApp para que os clientes tirem dúvidas sobre os produtos e efetuem compras. Com isso, deixa de ser obrigatório ter uma conta no Facebook dedicada a esse fim, e as empresas interessadas na função precisarão apenas cadastrar endereço de e-mail e método de pagamento.

Para Janaína, esse recurso beneficia os pequenos negócios, que normalmente não conseguem ter presença digital em vários canais. “A novidade possibilita uma maneira mais simples para anunciar seus produtos e serviços, permitindo alcançar uma base mais ampla de clientes”, ressalta a analista.

Outra função que está em fase de testes e deverá ser disponibilizada em pouco tempo, são as listas de transmissão personalizadas. Essa funcionalidade possibilitará às empresas automatizar o envio de lembretes, informes sobre promoções e felicitações por datas especiais para o cliente.

Será possível ainda incluir botões de call to action, agendar os disparos das mensagens ou enviá-las instantaneamente. “As novas funcionalidades certamente irão contribuir para que as pequenas empresas aprimorem o relacionamento com seus clientes e alcancem melhores resultados de conversão de venda”, conclui Janaína.

Já sabe como utilizar o WhatsApp Business? Basta seguir alguns passos simples.

  1. Baixe o aplicativo Whatsapp Business, que é diferente do aplicativo de mensagens comum (Whatsapp);
  2. Confirme o número de telefone, e permita o acesso aos contatos e fotos;
  3. Crie um perfil comercial da empresa, e adicione as informações importantes sobre a empresa, como endereço e horário de funcionamento.
]]>
859764 - Redes sociais – 859764 – 859764https://www.jystxc.com/dados/pequenos-negocios-ampliam-presenca-digital-para-conquistar-clientes/Mon, 13 Mar 2023 12:53:47 +0000https://www.jystxc.com/?p=12025Com o mercado cada dia mais competitivo e acelerado pelas transformações digitais, o uso das redes sociais como ferramentas de relacionamento, divulgação e vendas de produtos e serviços pela internet tornou-se realidade para os pequenos negócios de todos os segmentos. De acordo com levantamento inédito realizado pelo Sebrae, 57% das empresas possuem redes sociais ou websites com essa finalidade. Entre as microempresas (ME), esse percentual já alcança 66%.

Na hora de oferecer serviços e produtos, os meios digitais também são utilizados por 65% dos empreendedores que contam com catálogos para divulgação on-line. Além disso, reservas ou vendas on-line são realizadas por 45% das empresas ouvidas.

A pesquisa Transformação Digital nos Pequenos Negócios – Edição 2022 entrevistou 6.345 donos de pequenos negócios de todas as regiões do Brasil. Dentro desse universo estão microempreendedores individuais (MEI), além de donos de microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EP) que atuam nos setores do comércio, serviços e construção.

“O que era uma tendência, hoje virou realidade. Qualquer empresário ou interessado em ser dono do seu próprio negócio precisa atuar no digital para ganhar visibilidade e ter mais resultados”, analisa o presidente do Sebrae Nacional, Carlos Melles.

Redes sociais e vendas digitais

Quando o assunto é vender pela internet, o WhatsApp foi apontado como a principal ferramenta de vendas digitais para 74% das empresas ouvidas. Em segundo lugar, com 42% estão as redes sociais, seguidas pelo site próprio, com 17%.

“A redes sociais tornaram-se potentes canais de relacionamento e vendas que precisam fazer parte da estratégia do negócio, com uma gestão profissional, capaz de atingir resultados reais a partir de um objetivo bem definido”, acrescentou Melles.

De acordo com o levantamento, a grande maioria dos pequenos negócios possui perfil no Instagram (94%), o que demonstra o crescimento considerável dessa rede social na promoção das empresas. Em 2018, na primeira edição da pesquisa, esse percentual era de 25%. O Facebook, por sua vez, ainda se encontra entre as plataformas mais utilizadas com 69%, com um crescimento de 20% nos últimos quatro anos.

Por outro lado, as homepages e websites perderam a importância desde a última edição do levantamento, em 2018, e estão presentes em 27% das empresas pesquisadas, perdendo nove pontos percentuais. Com menor porcentagem entre as redes, o Twitter só atingiu 8% dos donos de pequenos negócios.

Apesar de ser uma das plataformas de vídeo preferida pelos brasileiros, o YouTube ainda é pouco difundido pelas micro e pequenas empresas. Apenas 14% deles possuem canal nessa plataforma. Com a mesma porcentagem, o LinkedIn também é pouco utilizado pelos empreendedores pesquisados.

Atendimento ao Cliente

A edição 2022 da pesquisa destaca ainda que os empresários oferecem recursos de relacionamento e atendimento ao cliente digital em suas redes sociais ou websites. Entre as empresas ouvidas, 65% oferecem canal de contato do tipo Fale Conosco e 54% possuem espaço para queixas ou sugestões.

“Quando se trata de atendimento on-line, os empreendedores devem ficar atentos ao comportamento do consumidor digital que é mais exigente em relação à prontidão do atendimento, variedade de meios de pagamento, entre outros quesitos”, conclui o presidente do Sebrae.

]]>
859764 Mapa do site

1234