pinnacle
Compartilhe

73 startups e negócios inovadores buscam investidores na etapa final do Capital Empreendedor

Nos dias 27 e 28 de novembro, as empresas finalistas participam de Circuito de Investimentos, em São Paulo, com a participação de 150 investidores
PorRedação
pinnacle
Compartilhe

O Capital Empreendedor, iniciativa do Sebrae que oferece capacitação parastartups e negócios inovadores na busca por investimentos, chega ao fim do ciclo 2023. O Circuito de Investimentos, última etapa do programa, vai contar com a participação de 73 startups e empresas inovadoras que vão ficar frente a frente com 150 investidores de risco. O encontro acontece nos dias 27 e 28 de novembro, em São Paulo. Antes das rodadas de negócios, os empreendedores ainda vão ter a oportunidade de receber dicas e orientações para opitch, acompanhar um bate-papo com investidores e participar de momentos denetworking. A programação também inclui a premiação dos três negócios que mais se destacaram durante a jornada.

Entre 2018, primeiro ano da iniciativa, a 2022, o volume de investimentos já alcançou R$ 242,4 milhões, com 201 startups investidas. Até 2023, a iniciativa já capacitou mais de 1,5 mil empresas, em diversos estágios de maturidade, de 26 estados e Distrito Federal. Nesse período, foram contabilizadas mais de 19 mil horas de capacitação, por meio de workshops, pitch day e mentorias especializadas.

-

O Circuito de Investimentos é o grande momento do Capital Empreendedor após toda a intensa jornada de preparação. Nas rodadas de negócios, cada empresa terá 20 minutos para se apresentar para cada um dos investidores. É uma grande oportunidade para que os empreendedores possam captar recursos para acelerar seus projetos.
Maria Auxiliadora Umbelino, analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae Nacional.

Diversidade e Inclusão

A startup Bensá é uma das finalistas do sexto ciclo do Capital Empreendedor. Foto: divulgação.

ABensá,startup de educação empreendedora afrocentrada, é uma das finalistas do sexto ciclo do Capital Empreendedor. Astartup do Rio Grande do Norte é comandada pelas irmãs Bárbara Lopes, administradora de formação, e Bianca Lopes, publicitária e especialista em Bussiness Intelligence (BI). Durante o Capital Empreendedor, as duas participaram juntas das capacitações e mentorias ao longo dos últimos sete meses.

De acordo com Bárbara,founder e CEO da Bensá, astartup está em busca de recursos para investir em vendas, marketing, desenvolvimento do time, bem como no aumento da capacidade tecnológica da empresa na execução dos projetos relacionados à diversidade e inclusão em empresas.

“Os conteúdos e atividades durante o Capital Empreendedor casaram muito com o momento da empresa. As mentorias sobre governança, jurídico e novas prospecções nos ajudaram a pensar nos próximos passos. Já as mentorias comportamentais foram importantes para o meu desenvolvimento como empreendedora”, conta Bárbara.

Em nível de operação, a Bensá atua no segmento B2B e tem como clientes grandes empresas, como Riachuello, Itaú, Correios, entre outras. Neste ano, o faturamento está em torno de R$ 460 mil. Conheça mais: https://www.lushdd.com.

Inovação no Agronegócio

Outrastartup finalista, é a Vaca Roxa, de Santa Catarina. A empresa desenvolve inovações para melhorar a eficiência na produção agropecuária com o uso de um equipamento portátil, chamado raquete digital IoT. O dispositivo oferece precisão para o produtor de leite identificar com mais rapidez os animais com sinais de mastite. As informações são essenciais para os laticínios e trabalho dos veterinários. No estado, a perda da produção leiteira por causa da doença é em torno de 12%.

Dispositivo criado pela startup Vaca Roxa oferece precisão para o produtor de leite identificar com mais rapidez os animais com sinais de mastite. Foto: divulgação.

A empresa é comandada por Roberto Carlos Valicheski, mestre em engenharia de processos industriais. Ele destaca que sua participação no programa foi importante para aperfeiçoar seus conhecimentos como pessoa, ao mesmo tempo que permitiu ampliar sua visão sobre o negócio.

“O Capital Empreendedor me lapidou como pessoa e possibilitou que eu enxergasse o contexto de forma mais clara, a partir das mentorias sobre governança, por exemplo. Somos três sócios, em uma empresa familiar, na qual muitas coisas se confundiam”, comentou.

De acordo com Valicheski, a Vaca Roxa está busca de investimentos para produzir uma matriz injetora para aumentar a produção dos equipamentos que podem ser vendidos ou alugados. Os recursos também serão importantes para melhorar a equipe técnica de vendas e aprimorar o software do dispositivo. Conheça mais: https://www.lushdd.com

Entenda a jornada

O Capital Empreendedor é formado por várias fases realizadas ao longo de sete meses, incluindo workshops de pitch e investimentos, além de mentorias especializadas. Ao longo da jornada, as empresas são avaliadas para avançarem no programa até chegarem à última fase, quando participam de rodadas de negócios com investidores em São Paulo.

Somente no ciclo 2023 o Capital Empreendedor recebeu 1.081 mil inscrições. Desse total, 500 empresas foram selecionadas inicialmente para participar gratuitamente da iniciativa. Entre os critérios avaliados na seleção estão a apresentação de um modelo de negócio claro e demonstrado, estágio de maturidade da startup, nível de inovação e tecnologia, faturamento, diferencial competitivo, entre outros.

Após esse primeiro momento, 140 empresas foram selecionadas, por meio do Pitch Day, para ingressar na etapa de Mentorias, na qual receberam 40 horas de orientação individual e coletiva de mentores especialistas nos seguintes temas: Comportamento Empreendedor, Finanças, Jurídico, Valuation, Governança e Máquina de vendas.

  • Bensá
  • Capital Empreendedor
  • Startup
  • Vaca Roxa